quarta-feira, janeiro 20Diário online de Braço do Norte

Vale rumo à Jornada Mundial da Juventude

Ezequiel e Ellen participam do evento da Igreja Católica, que neste ano acontece no Panamá, ao lado de jovens do mundo todo

 

Jovens de todas as partes do mundo estão a caminho do Panamá para viver a Jornada Mundial da Juventude. O evento da Igreja Católica acontece de 22 a 27 de janeiro e tem como tema “Eis o servo do Senhor; faça-se mim segundo a tua palavra” (Lc 1:38).  Do Vale, dois jovens estão de malas prontas para viver esta experiência. Ellen Albanás da Paróquia de São Ludgero, que participa como peregrina de sua terceira jornada, e Ezequiel Henrique Selhorst Philippi, da Paróquia Nosso Senhor do Bom Fim, que é colunista da Folha, participará como voluntário de sua segunda JMJ, são dois dos seis jovens enviados pela Diocese de Tubarão.

Eles levarão a missão de anunciar a Beata Albertina para o mundo. Acolhidos pelo Padre Sérgio Jeremias de Souza, levam orações de Albertina Berkenbrock, traduzidas em Inglês e espanhol, a serem distribuídas aos presentes no evento. Uma bandeira da Beata também foi confeccionada e será exposta durante os dias de peregrinação. Os jovens que representaram a diocese também receberam a benção do Bispo Dom João Francisco Salm, em missa de envio realizada no dia 23 de dezembro de 2018, na paróquia de Oficinas em Tubarão.

Para Ezequiel, que esteve na JMJ do Rio de Janeiro, em 2013, o evento do Panamá é a continuação de uma experiência que deixou marcas, que proporcionou uma vivência maior de fé, o contato com as Nações e a proximidade com o Papa Francisco. “O que mais me impressiona neste evento é a união dos jovens de diversos países com suas culturas. O clima é muito bom.  Vários jovens unidos em um mesmo lugar, com o objetivo, de dizer para o mundo: ‘Eu sou um jovem católico’. A oportunidade nos deixa grandes aprendizados para a formação humana e crescimento espiritual, além de buscar através do exemplo, um mundo melhor a todos, construindo pontes de amizades e esperança”, avalia.

De acordo com Ellen, a JMJ é uma experiência única. “Indo participar pela terceira vez desse evento, consigo ver claramente as mudanças em minha vida após cada uma delas. O amadurecimento pessoal e na fé, o maior engajamento nas atividades da Igreja e os laços de amizades feitos a partir da JMJ – antes, durante e até depois, são coisas que me marcaram bastante nas outras edições e com certeza já fazem a diferença nessa”, avalia a jovem que está ansiosa pelo encontro com o Papa Francisco. “Dessa vez, diferente das outras duas edições, saio sozinha da paróquia para viver a Jornada.  Foram dois anos e meio alimentando o sonho, buscando recursos, incentivando outros jovens do Movimento de Cursilhos de Cristandade,  preparando cada coisa necessária pra viagem, até de fato, ela chegar”, avalia.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Folha do Vale