quarta-feira, janeiro 20Diário online de Braço do Norte

TORRADO PRESIDENTE

Na manhã da última segunda-feira, o Vereador Celso Onei, o “Torrado” (PTB), por 6 votos a 5, se reelegeu presidente da Câmara de Vereadores de Braço do Norte, rasgando o compromisso assumido com a base de apoio ao Executivo, que vinha votando nos últimos dois anos de forma acordada. A vez era de Rafael Borgert (PSD). Parece até coisa de vidente, mas mesmo sem poderes premonitórios, esta coluna apenas previu como possível o cenário da eleição da Mesa Diretora da Câmara de Municipal de Braço do Norte. Ricardo Medeiros (PSD), Soraya Michels (PSDB) e Torrado se uniram ao MDB e formaram uma nova força contra o PP e o PSD.

DEIXA PRA LÁ

Antes mesmo da eleição de Torrado presidente e Ricardo vice, da Mesa Diretora da Câmara, o grupo que apoiou o candidato opositor, Rafael Borgert, já sabia quantos votos faria na eleição e tinha pronto um parecer jurídico que possibilitaria derrubar Torrado na Justiça, pois, pela regra, é proibida a reeleição de presidente da Câmara de Vereadores. No entanto, ao saber que Ricardo Medeiros estaria torcendo pela impugnação judicial de Torrado para se tornar presidente, os opositores decidiram deixar pra lá e não vão entrar com uma ação judicial que poderia favorecer Ricardo. Parece que, em se tratando de infidelidade, preferem Torrado.

MDB SEM CADEIRA

A indignação de alguns correligionários do MDB ficou por conta da falta de cadeiras na Mesa Diretora. Ao mesmo tempo em que o partido apoiou os vereadores Torrado, Ricardo e Soraya contra a chapa do PSD/PP, acabou deixando tudo como estava, já que Torrado vem, há muito tempo, votando com o governo. Já Ricardo não se desvinculou do partido e permanece como vice-presidente municipal da sigla, e Soraya é da base do governo.

CERBRANORTE EM JOGO

O acordo que manteve Torrado na presidência da Câmara de Vereadores tem como pano de fundo um apoio à sua candidatura à Cerbranorte. Torrado renunciaria à presidência para disputar a cooperativa assim que a eleição fosse oficializada em 2020. Em troca do apoio, Ricardo assumiria a presidência do Legislativo. Será que depois de não honrar a palavra com PSD, o vereador Ricardo estaria se preparando para trair a Chapa 2?

O que dizem?

Ricardo diz que agiu desta forma pela independência de poderes. O Legislativo tem que ter a sua autonomia. Soraya teria consultado alguns companheiros de partido. Segundo ela, o PSD e o PP, na eleição passada, haviam prometido três anos de mandato a ela. Questiona: quem traiu quem? Torrado! Bem, Torrado foi Torrado. Pesou onde ganharia mais politicamente, segundo os bastidores, visando a Cerbranorte.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Folha do Vale