domingo, janeiro 17Diário online de Braço do Norte

TAXA DE DESEMPREGO

Coluna de Antenor Turazi

Apesar de já apresentar sinais de recuperação econômica, o Brasil deve conviver com uma taxa de desemprego muito alta por um bom tempo, disse o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. Ele explicou que o novo coronavírus acelerou o uso da tecnologia e disse que, por isso, nem todos os profissionais tiveram tempo de se preparar para o novo mercado de trabalho. Porém, avisou que o Brasil não tem espaço fiscal para lançar programas sociais com foco nesses desempregados, como outros países devem fazer. A perspectiva de retomada lenta do emprego já estava na conta de boa parte do mercado. Tanto que, logo depois de o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informar que o desemprego bateu o recorde de 14,4%, atingindo 13,8 milhões de pessoas, muitos analistas avisaram que a taxa ainda deve crescer, podendo chegar a 16% no início do ano que vem. “Temos o consumo voltando rápido, o Produto Interno Bruto (PIB) voltando rápido, mas o emprego não”, disse Campos Neto, em evento promovido pela revista inglesa The Economist. Ele explicou que o desemprego será um desafio para o Brasil e os demais países emergentes, porque a pandemia acelerou o uso da tecnologia e mudou o padrão de consumo das pessoas tão rapidamente que não deu tempo de muitos trabalhadores, sobretudo os informais, se a adaptarem a um mercado de trabalho cada vez mais digital.

CONTEÚDO EXCLUSIVO PARA ASSINANTES

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Folha do Vale