domingo, março 7Diário online de Braço do Norte

PM detém homem alterado durante culto

Alex da Dina invadiu uma igreja evangélica, em Braço do Norte, na noite da última terça-feira, 19 e foi preso em flagrante

Com um cajado em mãos, Alexssander da Cunha, o “Alex da Dina”, invadiu uma igreja evangélica, na Rua João Teodoro Niehues, no bairro Coloninha, em Braço do Norte, na última terça-feira, 19 de fevereiro, à noite, durante a realização de um culto. Ameaçou os fiéis que estavam em seu interior e só parou ao ser detido pela Polícia Militar. O braçonortense vinha chamando a atenção nas redes sociais, com as suas postagens em relação à eleição da Cerbranorte e na noite anterior já havia causado tumulto durante a sessão da Câmara de Vereadores.
Soldado Cipriani, que atendeu a ocorrência, conta que a Polícia Militar recebeu um chamado de populares, pois havia um homem em frente ao altar, esbravejando palavras de baixo calão e com um pedaço de madeira de, aproximadamente, dois metros de altura. “No primeiro momento, tentamos dialogar com ele. Porém, ele ergueu o pedaço de pau. Foi dado voz de parada e ordenado que ele soltasse a madeira”, detalha o militar. No entanto, ele não acatou a ordem e investiu contra um dos policiais, foi onde a guarnição conseguiu retirar a madeira de suas mãos. Após isto, ele investiu novamente contra a guarnição, sendo necessário o disparo de tiros de arma de balas de borracha para conter a ação do agressor.
“Quando chegamos na igreja ele estava ameaçando os fiéis que ali estavam, ele dizia que tinha a palavra da libertação e que ninguém impediria ele de acabar com a encenação. Ele dizia que ia expulsar os demônios da Cerbranorte”, acrescenta o militar.
Em vídeo que viralizou pela internet, observa-se que Alex ainda agarrou um dos fiéis, o imobilizando pelo pescoço. “Ele tinha um pedaço de ferro pontiagudo nas mãos e ameaçava matar a vítima. Porém, num momento de distração, conseguimos remover o objeto da mão de Alex e a vítima conseguiu se desvencilhar do agressor. E juntamente com populares, foi possível imobilizar o masculino, que resistiu à prisão”, revela Cipriani.
Alex foi encaminhado ao presídio masculino de Tubarão.

Alex tumultua sessão da Câmara

Com o mesmo cajado, Alex esteve na última segunda-feira, 18, na Câmara de Vereadores. Foi o único inscrito a usar a Tribuna Livre no final da sessão. Usou 14 dos 16 minutos que tinha direito para falar. Abriu seu discurso declamando o Salmo 91 e depois passou a citar fatos desconexos sobre a suspensão da eleição da Cerbranorte e sua atual administração.
Também deixou o recinto aos berros, assim como entrou no dia seguinte no culto.

“Não vamos passar a mão na cabeça dele. Ele errou”, diz cunhada

Por que está acontecendo isso? É essa a pergunta que a família de Alexssander se faz, desde a noite de terça-feira, 19. A cunhada Luciana Neves conta que a família, especialmente a mãe, “dona Dina”, está bem chocada com o que aconteceu. A reportagem da Folha esteve na residência de dona Dina no dia seguinte do ocorrido, no entanto, a mãe estava muito abalada e sem condições de conceder uma entrevista. Coube a cunhada, dar detalhes sobre o caso.
Luciana revela que fazia umas duas semanas que Alex estava apresentando um comportamento agressivo. “De uns dias pra cá ele estava bem alterado, tanto que as pessoas já estavam com um certo receio de chegar perto. Tinham medo”, conta a cunhada, que recorda o que aconteceu naquele dia. “Na terça-feira, 6 horas da manhã, ele esteve na casa da mãe dele buscando uma bolsa de documentos, que segundo ele, eram provas contra a Cerbranorte e simplesmente sumiu durante o dia todo. À noite, apareceu, dizendo que ia na igreja. Saiu com o cajado na mão e fez o que fez”, lamenta Luciana.
Segundo a cunhada, Alexssander não apresentava nenhum distúrbio mental. Porém, acredita que as eleições da Cerbranorte mexeram com o psicológico dele. “Há algum tempo ele vinha reunindo documentos contra a Cerbranorte. Ele publicou muitas coisas nas redes sociais, e o pessoal foi alimentando isso na cabeça dele e ‘dando corda’. E ele acabou se iludindo, achando que podia resolver alguma coisa sozinho”. A cunhada lembra que os populares apoiavam Alex pelo Facebook, mas na hora de dar a cara a tapa ninguém aparecia. “E isso acabou afetando a cabeça dele”, destaca Luciana.
A cunhada conta que a família está sofrendo e pede respeito. “Estamos sem saber o que fazer. Sabemos que ele foi errado, não foi certo o que ele fez na igreja. Mas, ao mesmo tempo, para nós da família dói ver o vídeo dele algemado e apanhando. Ele é um ser humano, não merecia isso. Não vamos passar a mão na cabeça dele. Ele errou e, infelizmente, foi ele quem procurou isso. Peço apenas que as pessoas nos respeitem. Que não falem as coisas sem saber”, solicita Luciana.
Sobre o pedaço de madeira que o cunhado tinha em mãos, os familiares acreditam que a intenção dele era seguir uma passagem bíblica. “Foi com um cajado nas mãos que Moisés, seguindo a ordem de Deus, realizou os milagres e trouxe seus fiéis junto de si. Talvez na cabeça dele tenha se passado essa história, ele achou que se fosse na igreja com o cajado muitas pessoas fossem o seguir, e não foi isso que aconteceu. Até agora estamos sem entender o porquê ele agiu dessa forma”, ressalta a cunhada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Folha do Vale