segunda-feira, janeiro 25Diário online de Braço do Norte

Nova ponte provocará mudanças no trânsito

Nos próximos dias, a Prefeitura de Braço do Norte irá liberar a Ponte Celso Kindermann, a nova estrutura de concreto que ligará o Bairro Lado da União ao Centro. Com a obra prestes a ser concluída, a Prefeitura tratou de anunciar como ficará o trânsito no cruzamento entre a Travessa Adolfo Konder e a Avenida Nereu Ramos, um dos mais movimentados da cidade.
Os motoristas que cruzarem a ponte e seguirem no sentido Lado da União em direção ao Centro serão obrigados virar à direita e seguir pela Avenida Nereu Ramos. Não poderão cruzar a Nereu Ramos em direção a Travessa Adolfo Konder. Já para quem for do Centro para a União, poderá acessar a ponte normalmente pelas duas maneiras possíveis, pela Nereu Ramos e também pela Travessa Adolfo Konder.
Segundo o secretário municipal de Planejamento Urbano e Desenvolvimento Econômico, Guilherme Michels, após liberada a ponte, o trânsito no local deverá ser analisado. “Por enquanto, não haverá nenhuma mudança drástica. A única questão somente é que, aos automóveis que virão da União, será obrigatório virar à direita, na Nereu Ramos. Com o fluxo normal de veículos, a Comissão Municipal de Trânsito irá analisar a possibilidade de outras mudanças, caso sejam necessárias”, afirma.

Preocupação com estacionamentos

A área que abrange a Travessa Adolfo Konder e seus cruzamentos com as avenidas Nereu Ramos e Felipe Schmidt é uma das mais movimentadas da cidade. A região abriga estabelecimentos comerciais variados, banco, padaria, açougue e a atual sede da Prefeitura Municipal.
Por conta disto, têm-se discutido sobre possíveis mudanças, em que cogita-se, por exemplo, a conversão em uma via de mão única ou até mesmo a construção de calçadão na Travessa Adolfo Konder. Entre os comerciantes do local, grandes mudanças causam apreensão, pois podem alterar drasticamente fluxo de veículos e de pessoas no local e, assim, influenciarem em suas vendas. Uma preocupação constante é com relação às vagas de estacionamento.
“Muitos clientes reclamam da dificuldade para estacionar nas proximidades. Acredito que a possível construção de um calçadão complicaria ainda mais a situação com relação às vagas de estacionamento”, avalia Zoraide Pedroso, gerente de uma loja de calçados localizada na Adolfo Konder. “Também acho ruim para quem vem da União ser obrigado a virar à direita. Talvez o ideal seria a implantação de uma rótula na saída da ponte, no cruzamento com a Nereu Ramos”, calcula.
Já a proprietária de uma loja de presentes Rosilene Baggio Crema até simpatiza com a construção de um calçadão, mas concorda que a obra não seria possível por conta da falta de estacionamentos na região. “Ouvimos muitas queixas dos nossos clientes de que não conseguem encontrar vagas. Acredito que com um calçadão, essa dificuldade seja maior ainda. Antes de pensarmos em um calçadão, deveríamos resolver a questão dos estacionamentos, quem sabe implantar um sistema rotativo. Toda cidade que tem um fluxo muito grande de veículos hoje em dia tem”, argumenta.
O secretário Guilherme Michels, entretanto, afirma que a construção de um calçadão na Adolfo Konder, ou qualquer mudança mais drástica são apenas ideias, que tão breve não serão implantadas. “Nada disso é certo. São apenas sugestões e ideias que surgem em reuniões e discussões sobre o trânsito e o desenvolvimento da cidade. Tudo isso será analisado e debatido ainda para o futuro. Contudo, são somente ideias”, garante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Folha do Vale