MDB de Braço do Norte busca formar nova “tríplice aliança”

PSDB e PL estão na mira do principal partido de oposição em Braço do Norte

MDB, PSDB e PL podem estabelecer uma “tríplice aliança” para a eleição à prefeitura de Braço Norte em outubro. Esse é o objetivo do MDB do município para formar uma chapa de oposição ao atual prefeito, Beto Kuerten Marcelino (PSD).

Segundo presidente do MDB no município, o vereador Israel de Souza, as conversações e articulações com os demais partidos devem ocorrer tão logo se encerre este período de isolamento de parte da população por conta das ações de combate à epidemia de coronavírus. “Tínhamos previsto uma reunião para esses dias, mas, por causa do risco de contaminação, resolvemos adiar”, afirma.

Israel se diz esperançoso em formar o que chamou de uma tríplice aliança entre MDB, PSDB e PL. “Estamos esperando passar esse período de isolamento para conversarmos melhor. Acredito que temos condições em formar essa aliança com o PSDB, da vereadora Soraya Michels Richter, e do PL, partido para o qual está ingressando o vereador Ricardo Medeiros”, destaca, acrescentando que outras siglas também poderiam ingressar à esta possível coligação. Um desses partidos poderá ser o PSB.

Israel foi o candidato à Câmara de Braço do Norte mais votado em 2016, que lhe deu condição de ser considerado, dentro do MDB, um dos possíveis nomes a ser o cabeça de chapa na eleição majoritária de 2020. Ele diz, porém, que ainda é cedo para definir alguma pré-candidatura. “Ainda falta realizar as convenções dos partidos, que ocorrerão entre o final de julho e início de agosto. Até lá, vamos conversando e alinhavando as candidaturas”, analisa.

Eleições municipais: chapas devem ganhar contornos mais definidos logo após a crise do coronavírus

A poucos mais de seis meses para a eleição municipal, as forças políticas de Braço do Norte têm começado a se mobilizar para a formação das chapas. A expectativa é de que, passando o período de restrições com conta do combate ao coronavírus, as articulações e conversas ganhem mais intensidade e que o quadro eleitoral esteja mais definido.

Historicamente, a hegemonia política do município é disputada por dois grupos distintos: um liderado pelo MDB e outro pelo PP. Não deverá ser muito diferente neste ano, embora alguns aspectos tenham mudado desde a última eleição.

Atualmente, a Prefeitura de Braço do Norte é administrada pelo PSD, com apoio do PP, representados, respectivamente, pelo prefeito Beto Kuerten Marcelino e pelo seu vice, Ronaldo Fornazza. A dupla tende a repetir a aliança e disputar a reeleição. Embora candidatos da situação, a chapa perdeu um aliado considerado importante para disputa. O PSDB, da vereadora Soraya Michels Richter, desembarcou do governo há poucos dias, para concorrer à Prefeitura.

Do lado da oposição, a tendência é que o MDB lidere a chapa. Como candidato a prefeito, um dos nomes de destaca é Israel de Souza, vereador que mais recebeu votos da eleição de 2016, pouco mais de 1,2 mil. Como aliados, deverá contar com o PL, ao qual deverá filiar-se o vereador e ex-secretário Regional Ricardo Medeiros, e o ex-vereador Emerson Fernandes, o “Mano”. Também contará com o PSDB. Ricardo e a vereadora Soraya, são os possíveis integrantes da majoritária, cabendo a estes nomes definirem quem sai na cabeça. Todos os três vereadores em exercício já anunciaram que não concorrem mais ao Legislativo.

O movimento foi fortalecido com a visita do senador Jorginho Melo (PL) em Braço do Norte, há poucas semanas, reunindo as três siglas partidárias.

Um aspecto que deverá caracterizar esta eleição é o fator “renovação”. Lideranças de longa data, como os prefeitos Ademir Matos (MDB) e Vânio Uliano (PP), este último impedido por ter as contas do exercício de 2012 reprovadas, não são cotados como candidatos ao Executivo. E no Legislativo, boa parte dos atuais vereadores já anunciaram que não pretendem disputar reeleição, que é um indicativo de uma Câmara com novas caras a partir de 2021.


Leave a Comment