terça-feira, janeiro 26Diário online de Braço do Norte
Aline Patel Tramontin | aline31644@gmail.com

“Mamãe, como o Arthur vai sair da sua barriga?”

Coluna semanal do Theo e Eu na Folha do Vale. Com Aline Patel Tramontin

Não raro ouvirmos das crianças questionamentos que não sabemos responder. Geralmente, essas dúvidas aparecem durante uma reunião de família, conversa com amigos, enfim, momentos em que estamos desprevenidos de respostas.


Theo está passando por uma fase de super curiosidade. Tudo ele questiona. Famosa fase dos “porquês”. Porém, com Theo há outras variantes, tal como: para que serve isso? O que isso faz? como isso funciona?…
Certo dia ele abriu uma das gavetas da cozinha e questionou a funcionalidade de todos os talheres. A gaveta era aquela dos talheres grandes. Concha de sopa, espátula de bolo, faca de pão, conjunto para servir peixe, salada, pegador de macarrão… e lá ia eu explicar um por um.
Em um outro dia, estávamos à mesa com um casal de amigos, conversávamos sobre o novo filho e Theo estava muito participativo na conversa, até que olhou para minha barriga e questionou: “Mamãe, como o Arthur vai sair da sua barriga?”. Esta pergunta me deixou super sem jeito, realmente não soube o que responder. Houve um momento de silêncio. Theo me olhou e emendou uma resposta: “Mamãe, já sei! Arthur vai sair pelo seu biguinho” – leia-se umbigo. Com um sorrisinho meio sem jeito, não disse que sim nem que não… apenas disse que na próxima consulta perguntaria ao médico.


Realmente, há momentos em que fica difícil explicar a uma criança as complexidades da vida e do comportamento humano. Pensando nisso, realizei uma busca das perguntas mais comuns desses primeiros anos e as melhores respostas. Conclusão: sempre dá para encontrar uma resposta que satisfaça a curiosidade infantil sem causar traumas ao pequeno ou deixar o adulto incomodado.


A primeira regra é sempre falar a verdade. A segunda é quebrar círculos viciosos. Não é porque seus pais não conversaram adequadamente com você que irá deixar isso se repetir. Infelizmente, em especial, perguntas sobre sexualidade ainda são tabus. Pode parecer complicado num primeiro momento. Afinal, como explicar ao filho de 3 anos, sem mentir, como o irmãozinho sairá da sua barriga?

Como responder às perguntas das crianças


Em resumo, para a psicóloga Anette Lewin, é fundamental, antes de desatar a falar, procurar saber o que a criança sabe sobre o tema. “Muitas vezes, basta uma resposta curta, sem detalhes, e ela se satisfaz. Se isso não acontecer, deve haver espaço para questionar mais”, diz. Também é importante usar uma linguagem acessível e responder a tudo. “A pergunta denuncia uma inquietação da criança e precisa ser esclarecida. Mesmo que seja um assunto difícil, como a morte, os pais têm de encontrar uma maneira de responder sem enganá-la, contornando o que acreditam que não pode ser dito. A verdade apazigua o espírito do pequeno”, explica a psicanalista infantil Anne Lise Scappaticci.


A naturalidade dos adultos no momento da conversa deixa a criança à vontade para fazer outras perguntas e matar a curiosidade. “Se os pais perceberem que não vão conseguir dar uma resposta na hora, recomendo que diga ao filho que precisam pensar e que voltarão a falar com ele mais tarde.”

A seguir perguntas comuns – e também inquietantes – feitas pelos pequenos e as repostas sugeridas pelos especialistas pesquisados:

Como eu nasci?
A melhor resposta continua sendo a clássica: o papai colocou uma sementinha na mamãe, que se encontrou com outra sementinha, e daí você cresceu dentro da minha barriga. Se ela quiser saber mais detalhes, você pode dizer que a semente do papai se chama espermatozoide e a da mamãe óvulo. Se a curiosidade se estender, pode-se dizer que o pênis do papai entra na vagina da mamãe para depositar a sementinha. Mas sem fazer caras e bocas. Fale naturalmente.

Como eu saí da sua barriga?
No dia do seu nascimento, a mamãe foi para o hospital e o médico tirou você. Está vendo essa cicatriz? Foi por aqui que o doutor tirou você (se foi uma cesariana). Para o parto normal, você pode dizer que ela saiu pela sua vagina. É assim que todo mundo nasce.

O que é camisinha?
A melhor saída é dizer que é uma capinha que o papai usa para não ter bebês. Geralmente, as crianças se contentam com isso, mas, se perguntar que capa é essa ou onde ele coloca, deve dizer que é uma capinha que o papai coloca no pênis para evitar bebês. E pode completar explicando que os filhos são planejados, como ela foi.

O que é transar?
É um ato de amor entre duas pessoas que se amam. É quando transam que o papai e a mamãe fazem bebês.

Por que você está triste/chorando?
Diga a verdade de um jeito simples. “O trabalho não foi legal hoje, briguei com minha amiga”.

Como explicar um palavrão?
Geralmente, ela não tem ideia do significado do palavrão, mas sabe que é usado principalmente em momentos de raiva. Os pais devem dizer que é algo que não pode ser dito em público e deve ser evitado em um modo geral porque geralmente é uma palavra feia, que ofende e humilha as pessoas.

Por que meu amigo tem aquele brinquedo e eu não?
A resposta deve ser curta. Nada de discurso porque criança nessa fase não presta atenção por muito tempo. Quando ela começar a perceber as diferenças sociais, ainda que sutilmente, diga que alguns ganham mais dinheiro que os outros, mesmo que todos trabalhem, e que, pelo menos por enquanto, ela não pode ter determinado brinquedo. Quem sabe um dia?

Estamos na temporada mais esperada do ano. Verão! Quem já teve aquela amizade de verão sabe como este momento é mágico. Memórias inesquecíveis são formadas! E se puder ser na praia melhor ainda!!
Pensando na exposição solar que nesta época do ano tende a ser aumentada pesquisei algumas dicas que não devem ser esquecidas:

  • Utilizar horário de “sol amigo” – antes das 10h e após 16h;
  • Quanto maior a sombra, maior a segurança;
  • Utilizar roupas, chapéus e óculos com proteção UV;
    E o filtro solar:
  • Crianças menores de 6 meses NÃO devem utilizar.
  • De 6 meses a 2 anos: preferir linha “baby” ou “bebê”, que contém protetores físicos, mais grossinhos e difíceis de espalhar, porém menos alergênicos e compostos por substancias que não serão absorvidos pela pele dos pequenos
  • 2 anos a 12 anos: os filtros INFANTIS devem ser utilizados, a linha “kids”, que misturam protetores físicos e químicos.
    Importante:
  • Aplicar com a criança SECA e aguardar cerca de 20 minutos para liberar o “banho de mar”
  • Não esquecer mesmo nos dias nublados
  • FPS 30 ou mais
  • Utilizar uma boa quantidade (nosso costume é aplicar menos do que as recomendações)
  • Reaplicar a cada 2 horas se estiverem em contato com a água ou suando muito.
    Proteja os seus e aproveite o verão!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Folha do Vale