domingo, janeiro 24Diário online de Braço do Norte

Hora de somar os prejuízos na oficina

A segunda-feira está sendo de decisões para o empresário Alexandre Fornasa. Proprietário da oficina que incendiou na noite de sábado, em Braço do Norte, agora, ao lado da filha Bianca, que é engenheira civil, decidem se irão desmanchar toda a oficina ou reformam a estrutura. “Vai depender do parecer dela. Se tiver condições de reformar, vamos manter as paredes, mas a vontade é de colocar a baixo”, revela Fornasa.

Por volta das 19h40min de sábado, populares observaram que o fogo consumia a oficina localizada atrás do prédio de propriedade da família, onde está instalado a Preta Lanches, na Avenida Nereu Ramos. “Eu tinha acabado de sair com a esposa. Íamos jantar em São Ludgero, quando alguém me avisou que estava pegando fogo na oficina. Voltamos correndo. Quando cheguei aqui, o fogo já estava sendo controlado”, explica Fornasa. “Uma hora como esta é que a gente vê como é importante ter o Corpo de Bombeiros na cidade. Eles foram muito eficazes e evitaram que o fogo se espalhasse para uma casa de madeira que tem ao lado da oficina e até para o vizinho nos fundos. Só tenho a agradecer o trabalho deles”, recorda. Foram necessários 14 mil litros de água das duas viaturas para conter o fogo pelos oito bombeiros que trabalharam no combate.

Dois carros foram queimados pelo fogo nas duas garagens que formam a chapeação, além de todas as máquinas e ferramentas usadas nos locais. “Eu tinha decidido que iria parar de trabalhar com a oficina. Mas, como os amigos sempre trazem um carrinho pra gente fazer algum serviço, ia atendendo aos poucos”, explica. “O Gol, era de um ex-funcionário que pediu para deixar ele mesmo arrumar. Então, ele vinha e fazia, aos poucos, o reparo no carro. A BMW estava aqui para realizar uns retoques no capô e no para-choque traseiro e para que eu fizesse uma cristalização”, detalha sobre os dois veículos queimados pelo fogo. Nenhum deles tinha seguro.

“O Corpo de Bombeiros voltou aqui no domingo e realizou o laudo para buscar descobrir onde o fogo teria iniciado. Seria muito precipitado a gente falar alguma coisa mas, a princípio pelas características do incêndio, descartaram falha na rede elétrica do prédio”, diz Fornasa. Também observaram, que pelo estrago, o fogo teria começado pela parte de baixo da garagem onde está o Gol.

“Não posso dizer que não voltarei, nunca mais, a trabalhar com chapeação, mas, agora, decidi não reabrirei a oficina”, garante. Sobre o fato dos veículos e da edificação não terem seguro diz que está conversando com o dono da BMW. “Somos amigos e, graças a Deus, temos ainda alguns bens que podemos nos desfazer para pagar o prejuízo”, garante. A BMW está avaliada em R$ 190 mil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Folha do Vale