segunda-feira, janeiro 25Diário online de Braço do Norte

“Estrela de Natal” brilhará no dia 21

Fenômeno astronômico extremamente raro ocorrerá no início da segunda quinzena do mês

Quanto tinha sete anos, Fabrício Schmitz, morador de Santa Rosa de Lima, lembra de ter subido um morro para avistar o Cometa Halley, que costuma passar por perto da Terra, em média, a cada 75 anos. O ano era 1986 e, desde então, ele começou a ter maior interesse pela astronomia, que se tornou um dos seus hobbys preferidos. “Tem coisas que não escolhemos se vamos gostar, e esta área é a que mais me deixa parado para pensar e me leva sempre para algum lugar para observar ou ler. Acredito que seja o que mais gosto de fazer, que me dá mais prazer”, avalia.


Agora em 2021, aos 41 anos e trabalhando como motorista escolar da Prefeitura de Santa Rosa de Lima, Fabrício aguarda a oportunidade de presenciar um outro raro fenômeno, que ocorrerá na quarta semana de dezembro e terá seu ápice no dia 21. Trata-se da Estrela do Natal, ou Estrela de Belém. Uma conjunção tão rara que, se acredita, o último registro tenha sido na Idade Média.


O fenômeno consiste no alinhamento entre os planetas Júpiter e Saturno do ponto de vista de quem está na Terra. Também chamado de ‘Grande Conjunção’, por ser protagonizado pelos dois maiores planetas do Sistema Solar, o evento deverá gerar um ponto de luz radiante, podendo ser avistado a olho nu. Daí também receber o nome de “Estrela de Belém”, pois, de acordo com a passagem bíblica, teria sido esse acontecimento que, há pouco mais de dois mil anos, guiou os Reis Magos até o local de nascimento de Jesus.


“Pelo fato de Júpiter levar 12 anos para completar uma volta ao redor do Sol e Saturno levar 30 anos, este fenômeno se torna bastante raro. Um evento como o que vai acontecer neste mês só pôde ser observado em março de 1226, portanto há 794 anos. Até chegou a acontecer outra depois desta data, mas foi muito próximo do Sol, assim passando despercebido na época”, comenta Fabrício entusiasmado. “Estes dois planetas gigantes, apesar de parecer estarem colados um ao outro neste 21 de dezembro, na verdade, ainda estarão a centenas de milhões de quilômetros um do outro. O que vamos observar, na verdade, é uma ilusão de ótica por causa da distância que estamos destes dois planetas”, enfatiza.

Se o clima ajudar, a Estrela do Natal poderá ser vista de qualquer lugar da Terra a partir de 16 de dezembro. A dica de Fabrício para os moradores do Vale do Braço do Norte é para que, no final da tarde, após as 18 horas, olhem em direção a Oeste, mais ou menos na direção onde o Sol se põe, bem na linha do horizonte. “Dependendo do seu local, terá entre 1 hora ou 1h30min para desfrutar desta visão. Procure um local em cima de um prédio ou de um morro, para que você possa ter seu horizonte mais baixo, assim não perderá esta grande oportunidade, talvez a sua única”, enfatiza.
Quando chegar o dia 21, o motorista escolar pretende avistar a Estrela de Belém junto com suas filhas e, quem sabe, despertar nelas o mesmo interesse que tem pelos astros. “Sempre busco informações sobre astronomia em geral. E quando puder avistar a ‘Grande Conjunção’, espero ter junto comigo, além da minha esposa, minhas filhas. Stella e Maitê, que são minha constelação preferida”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Folha do Vale