Colunista | [email protected]

Empregos

O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) divulgou nesta quinta-feira os dados sobre as contratações formais no mercado de trabalho no mês de novembro. O saldo ficou em 99.232 postos de trabalho preenchidos. Se comparado os meses de novembro, este no ano de 2019 foi o melhor desde 2010.

Balanço de 2019

Este ano foi um ano de recuperação para muitos empresários. A economia deu sinais de aquecimento, os índices da bolsa foram na estratosfera, e as projeções para 2020 são muito boas. Alguns fatores foram essenciais para o desenvolvimento econômico, alguns deles como a MP da liberdade econômica, que beneficiou milhões de micro empreendedores individuais, desburocratizando alguns processos para abertura e fechamento de empresas.
Outra ação importante foi à criação das ESC (Empresas Simples de Crédito) que dá ao empreendedor a capacidade de captar empréstimos, com menos burocracia, a partir destas empresas que estarão com exigências diferentes dos bancos.
Foram muitas ações que destratavam um pouco a vida do empreendedor. O País está caminhando um pouco mais tranquilo, apesar de que muitas mudanças ainda são necessárias. Porém, só o fato de que o governo sentiu que precisa sair do “cangote” de quem quer empreender, já ajuda, e muito.

Papo de empreendedor

Talvez você não saiba, mas em 2006 foi quando empreendi pela primeira vez. Analisando o mercado, vi que faltavam marcas de roupas voltadas para o público que pedalava, então criei uma marca e saí vendendo camisetas por ai. O nome era GateOne. Traduzindo para o português, Portão Um. O nome foi por conta de uma modalidade chamada Four Cross, que era uma disputa de 4 atletas em uma única pista, bem parecido com o bicicross. Cada um largava de um gate, então o nome: GateOne.
A inexperiência fez com que eu abandonasse o projeto. Pois quando fui registrar o nome, ele já tinha dono. Isso gerou uma dor de cabeça e um grande desânimo. Abandonei o projeto e segui em frente, sempre sonhando em montar um negócio próprio. O sonho de ter uma marca de roupas ainda existe. Porém, este ano de 2019 resolvi tirar outro projeto do papel, mas no ramo de decoração e, desta vez a primeira coisa que fiz foi registrar o nome. Não cometeria a mesma falha duas vezes. Senti na pele o que é empreender, gastar, errar, acertar, vencer a burocracia, sonhar e buscar o sucesso, mesmo que ele ainda esteja distante. O caminho não tem atalhos. Após um ano de muita resiliência, as coisas começaram a caminhar. Nada foi de um dia para a noite, foram meses de testes e finais de semana cortando e lixando madeira até chegar onde eu queria. Devo lançar oficialmente este mini negócio em fevereiro. Aos poucos vou falando sobre ele por aqui.
Para falar sobre empreendedorismo, não bastava conhecer o tema, nem empreender nas funções que exerci. Era preciso realizar um sonho e sentir na pele o que as pessoas passam quando querem montar seu negócio próprio. Foi o que fiz.


Leave a Comment