quarta-feira, janeiro 27Diário online de Braço do Norte

Em campanha

Voo do Mosca

Na última semana, o ex-prefeito de Blumenau Napoleão Bernardes (PSD) cumpriu roteiro nos municípios do Sul do Estado que possuem candidatos à majoritária. Em Braço do Norte, recepcionado pelo prefeito Beto Marcelino e pelos pré-candidatos a vereador, o encontro aconteceu na localidade de Rio Santo Antônio, no restaurante Kniess. A comitiva tinha como como cicerone o deputado Federal Ricardo Guidi. Napoleão disputou a última eleição como candidato a vice-governador pelo PSDB. A cabeça de chapa tinha Mauro Mariani (PMDB). O ex-prefeito sentiu o peso da derrota. Se afastou alguns meses da política, se dedicando à carreira de professor universitário e à família, principalmente de sua pequena filha. Aceitou o convite e trocou de partido. Agora é a aposta do PSD estadual para a disputa de 2022. Dono de uma grande oratória e um discurso motivacional, pregou respeito e dedicação aos pré-candidatos. “Em nossos roteiros estamos fazendo contato com as nossas bases e com nossos pré-candidatos para atualizá-los, é também motivá-los e para ajudar a construir eleições e gestões exitosas”, destacou.

Gambá não disputa

Sirineu Espindola, o “Gambá”, mecânico da Vila Nova, aceitou o pedido do PSD e ficou fora da disputa por uma das 17 vagas para concorrer a vereador pelo partido. A decisão de desistir da vaga saiu na antevéspera. O PSD realizou sua convenção no último domingo. Assim como o PP, partido que coligou na majoritária, também preencheu todas as vagas para a Câmara. São 34 no total. Havia a expectativa do Democratas, um dos maiores partidos em termos de filiados de Braço do Norte, lançar candidato, o que acabou não ocorrendo.

Oposição

A oposição terá um número superior de candidatos a vereador em Braço do Norte em comparação a situação. Até o momento são 46 os confirmados. São 13 do MDB, 12 do PSDB, 11 do PSL e outros dez do PL. Cada partido poderia inscrever até 17 candidatos. Até 26 de setembro a Justiça Eleitoral aceitará a substituição de candidaturas.

Proporcionalidade

Apesar de ter registrado 13 candidatos, o MDB de Braço do Norte corre contra o tempo para poder substituir algumas peças. Acontece que a lei eleitoral exige que seja respeitada a proporcionalidade de, no mínimo, 30% de gênero oposto. Acontece que o MDB registrou 11 homens e duas mulheres. Para cumprir a lei teriam que ser no mínimo mais duas mulheres no lugar.

Eu quero

Quatro pré-candidatos a vereador disputaram na convenção do MDB de Braço do Norte, no último sábado, o número 15.000, usado pelo vereador Israel de Souza, o mais votado na eleição passada e na história do município. Vanuza Barcelos, Ronaldo Selhorst, Michell Sombrio e Pequeno do Taxi pretendiam utilizar o número. A sorte estava com o taxista que, no sorteio, ficou com o número. Vanuza, então optou pelo 15.555 e Ronaldo com o 15.017. Já Michell optou pelo 15.789, utilizado pelo ex-presidente do partido, seu sogro, Joaci Nunes, em eleições passadas, um forte cabo eleitoral.

Número da sorte?

Um número fácil ajuda muito, mas não pode ser considerado uma garantia de votos ou, muito menos, de vitória. Volnei Weber se elegeu deputado Estadual em 2018 usando o 15.000. Israel de Souza, com este número, foi o mais votado, com 1.211 votos em 2016 em Braço do Norte. Porém, esse mesmo 15.000, foi usado na eleição de 2012 pela candidata Viviane Ceolin de Souza, que não obteve êxito. Levou apenas 44 sufrágios.

Uma pra cada

Para aqueles que lembram apenas a eleição passada da vitória de Beto e Ronaldo sobre Ademir e Mano, quando filiado ao MDB e disputando a eleição de 2012, Emerson Fernandes foi o vereador mais votado de Braço do Norte, com 996 votos. O segundo mais votado foi o atual prefeito, Beto Marcelino, com 960. Depois de eleitos, “Mano”, foi ser secretário de Saúde, e Beto, secretário de Desenvolvimento Regional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Folha do Vale