segunda-feira, janeiro 25Diário online de Braço do Norte

Duda precisa de doações de sangue

Doações para ela devem ser feitas no Hemosc de Criciúma. Agende seu horário pelo telefone (48) 3444-7400

MARIA Eduarda, “Duda”, precisa de sangue O+ ou O-

As campanhas por doações de sangue continuam. E, desta vez, a moradora de Braço do Norte Maria Eduarda Martins Xavier, “Duda”, de 11 anos, está precisando de ajuda. Maria precisa, urgentemente, de plaquetas por aféreses do tipo O negativo ou O positivo. Para doar para Maria, basta entrar em contato com o Hemosc de Criciúma, agendar um horário e direcionar a doação para o cadastro 1797671. Vale ressaltar que doações de todos os tipos sanguíneos são necessárias e bem vindas.
Segundo a mãe de Maria, Marli Martins Nunes, em 9 de dezembro, segunda-feira, Maria estava com 5 mil plaquetas. A quantidade normal é entre 150 mil e 450 mil plaquetas. Para fazer a doação de plaquetas por aféreses, é preciso ligar para o Hemosc com antecedência e marcar horário, pois o processo leva em torno de 3 horas. “Segundo as médicas, as manchas roxas que Maria tem pelo corpo são resultado de ela estar, hoje, com apenas 5 mil plaquetas. Ontem, ela tinha 17 mil plaquetas e precisava receber transfusão de plaquetas, mas como está em falta em quase todo o Estado, ela não recebeu”, relata Marli.

Leo Clube e Lions ajudam na doação

Maria está internada no Hospital São José, em Criciúma, por isso as doações de sangue e plaquetas para ela devem ser feitas no Hemosc de Criciúma. Para auxiliar na doação, as entidades Leo Clube Vale de Braço do Norte e Lions Vale providenciarão transporte até o Hemosc. Interessados em doar devem entrar em contato pelo fone (48) 99946-9686.

Doações geram corrente do bem

EMPRESÁRIO aceita convite do irmão para doação

Em Braço do Norte, diversos doadores se mobilizam durante a semana para se deslocar a Criciúma. Na última quarta-feira, o empresário Mayco Niehues ficou sensibilizado com o convite do irmão Willian Longuinho Niehues e decidiu doar. “Eu vou, mas tu tens que segurar a minha mão a hora que estiver doando o sangue”, disse Mayco ao irmão Willian, não escondendo o receio de enfrentar a agulha. “O Willian faz parte de um grupo de doadores de Braço do Norte. Sempre que é preciso, vão doar. Quando vimos que a Maria Eduarda estava precisando, não tivemos dúvidas”, conta. Junto com duas colaboradoras da Áurea Alimentos e mais um amigo de Willian, se deslocaram a Criciúma.
“Eu nunca havia doado, mas sei da importância deste gesto. Há alguns anos a Tamara, minha esposa, foi salva graças a doação de sangue. Sempre fui muito grato e esperava a oportunidade de retribuir. Que bom que pude realizar nesta semana”, explica Mayco. Diferente do que solicitam, eles não agendaram a ida a Criciúma, por isso o procedimento demorou um pouco mais que o previsto. “Mas isso não interferiu em nada. Só tivemos que esperar um pouquinho mais, pois assim como a campanha para a Maria Eduarda, há pelo menos outras quatro pessoas precisando de sangue com urgência e o movimento no Hemosc é grande”, explica.
Depois que se chega no Hemosc é feito um cadastro, medida, alguns exames de pressão, e a triagem. “O atendimento e o carinho com quem vai doar é fantástico. Eles explicam que aquela bolsa de sangue pode ajudar até três pacientes. Além disso, é feito uma análise de seu sangue. Se tiver alguma anormalidade, entram em contato com o doador. Achei interessante. É tão legal e feliz ver a energia das pessoas que estão ali fazendo o bem, ajudando os outros. É algo fantástico”, relata Mayco, que recomenda a todos que podem doar realizar o procedimento e fazer a sua parte.

Serviço

Hemosc – Criciúma, Av. Centenário, 1700 – Santa Barbara, Criciúma (SC)
(48) 3444-7400

 

O que é doação por aférese?

Aférese significa “separar” ou “retirar”. Portanto, através da doação por aférese é possível retirar apenas uma das células do sangue total.

 

Como é feita a separação de plaquetas por aférese?

A enfermeira conecta o doador à máquina de aférese, através de punção venosa em ambos os braços.

Por centrifugação a máquina separa o sangue do doador e retira somente as plaquetas, devolvendo as outras células ao doador. O sangue não entra em contato com a máquina e sim, com um material descartável e estéril que se chama Kit. O procedimento dura aproximadamente 60 minutos, o que exige uma colaboração maior do doador ao paciente.

 

Doar plaquetas por aférese é seguro?

É totalmente seguro. Não há risco de se contrair qualquer doença, porque utiliza-se materiais estéreis e de uso único. Durante este processo, a máquina coleta 10% das plaquetas circulantes no organismo do doador. A medula óssea do doador facilmente repõe esta quantidade de plaquetas em 24 horas, e as doações por aférese podem ser repetidas a cada 48 horas sem prejuízo ao doador.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Folha do Vale