terça-feira, janeiro 19Diário online de Braço do Norte
robson@mkm.net.br

Derrota

Por Robson Kindermann Sombrio

Flamengo perde a final do Mundial para Liverpool. Diante da derrota o que podemos aprender? A derrota ,não é uma possibilidade, mas uma certeza. Em algum momento da sua vida você vai ter alguma derrota. Isso é o significado da gíria popular que diz: “faz parte”. Mas, a questão não é perder, e sim o que podemos aprender. Ou como podemos “mastigar” melhor isso. O que poderia ter sido diferente? Aproveitando o recesso, te pergunto. E aí, você viu quantas coisas você passou e mudou esse ano? Tem horas que a gente vai vivendo e nem percebe o quanto mudou ou aprendeu. Perder ou ganhar são partes da vida.
Muita coisa pode dar errado. E eu entendo isso. Mas, vamos ao segundo ponto. Entregue-se ao que você está fazendo. Se lançar na vida pela metade gera uma série de “e se”. E se eu tivesse feito diferente, e se eu tivesse feito do meu jeito, e se eu não tivesse falado, e se eu ficasse quieto, e assim seguem as possibilidades. Psicologia chama isso de situações inacabadas. São essas coisas que tiram a energia do momento presente, impedindo assim nosso crescimento. São desses “e se” que originam as mágoas, raiva do mundo, raiva de si mesmo, culpa, arrependimentos, e um peso que, se não for deixado de lado, se não for deixado no passado, fica insustentável viver.
A vida é um aprendizado. Esse ano foi mais um de aprendizados e mudanças. Mas, o maior é com relação ao que escrevo aqui. Na minha infância e na adolescência, fui uma pessoa considerada tímida (não estudava e nem lia livros), nunca imaginava escrever. Imagina com dois livros publicados agora. Está sendo uma adaptação enorme, por várias vezes nunca acreditei que faria isso. Mas, depois de inúmeros textos publicados, inúmeras tentativas, consegui. Ainda não estão na forma como imaginei, mas os textos estão aqui e agora. Escrever não é um problema tão grande. A vida passou e eu nem vi o tanto que mudei e aprendi.
Parei e respirei fundo agora, nem sempre consigo conciliar a prática com a teoria. Sempre que possível, procuro trazer exemplos do dia a dia para os textos. Hoje lembrei do jogo do Flamengo e Liverpool. Na derrota, vale tudo menos chorar tempo demais. Pois, sempre há coisas boas a se pensar. As vitórias, a gente não explica, se agradece. Alivie sua bagagem, cada dia já tem problemas para serem resolvidos. Portanto, um texto nasce em um quarto, em um escritório. Uma canção nasce no seu íntimo, em um estúdio. A gente não sabe que mágica é essa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Folha do Vale