domingo, fevereiro 28Diário online de Braço do Norte

Cancelado o aumento de energia no meio rural

Cerbranorte iria iniciar novo valor na cobrança apenas a partir de setembro, data que incide o reajuste da cooperativa

O Governo Federal atendeu reivindicação das entidades do agronegócio e anunciou nesta semana a revogação de um decreto publicado no ano passado que reduzia gradualmente os descontos sobre a tarifa básica de energia nas propriedades rurais.

O Decreto tornava mais cara a energia elétrica no campo porque reduzia, a partir de 2019, os descontos cumulativos sobre a tarifa básica até zerar em cinco anos. O ministro da Economia, Paulo Guedes, baixou medida anulando o decreto anterior. Ou seja, concede novamente as reduções cumulativas existentes até o ano passado, de 10% a 30% na conta de luz dos agricultores. A situação volta ao que era em 2018. Com isso, a conta de energia elétrica dos produtores rurais deixa de ser onerada em 43%.
Em Braço do Norte a fatura com as alterações de valor seriam modificadas apenas a partir de setembro, data que incide o reajuste da Cerbranorte. Para Deise Faust Vieira, gerente comercial da cooperativa, a permanência do preço significaria muito para o morador do campo. “Porque o consumo deles é maior. Para a Cerbranorte não mudaria praticamente nada, pois ela só repassaria o valor. Mas para os agricultores é uma ótima notícia. Daqui uns quatro anos eles iriam pagar o preço do residencial”, detalha.
O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc) José Zeferino Pedrozo festejou a conquista, pois o fim dos descontos elevaria fortemente o valor da energia. O impacto aumentaria o custo de produção em todo o país. Propriedades com uso intensivo de equipamento, como irrigação, aquicultura e produção de leite seriam as mais impactadas.

Decreto
Pelo Decreto 9.642, de 28 de dezembro de 2018, agora revogado, o governo quis reduzir em 20% ao ano, a partir de 2019, os descontos cumulativos sobre a tarifa básica de energia no campo até zerar em cinco anos. Em janeiro, por exemplo, os abatimentos de 10% e 30%, caíram para 8% e 24%, respectivamente. A decisão afetava dois grupos de unidades de consumo: os de fornecimento de alta tensão (acima de 2,3KV), enquadrados no “Grupo A Rural”, e os de baixa tensão (abaixo de 2,3 KV), classificados como “Grupo B Rural”. A medida impactaria especialmente as propriedades de baixa tensão, com alta de 43% no valor da energia em horário reservado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Folha do Vale