Colunista | [email protected]

Braço do Norte x coronavírus

Levando em consideração que temos 34 mil habitantes e temos 9 casos confirmados, fora os pacientes que já estão em tratamento e isolamento, mas os testes nem ficaram prontos. Se compararmos com a capital, Florianópolis, que tem 500 mil habitantes e 16 casos confirmados, Braço do Norte, realmente, tem que ser olhada de forma diferenciada. As ações do poder público no sentido de conter a contaminação são louváveis e estão sendo adaptadas todos os dias. No início, não tínhamos centro de triagem. Isso preocupava muitas pessoas, pois a recomendação era que não procurassem o hospital, mas sem um local específico, elas se deslocavam aos postinhos de saúde e hospital, podendo contaminar a todos. Felizmente, algumas medidas foram tomadas no decorrer do avanço do vírus e, com certeza, surtirão efeitos. A limpeza das ruas e locais de grande circulação divide opiniões, eu acho importante, porém a própria Federação Catarinense dos Municípios afirma que esta medida não é eficaz. Mas, não menos importante é que a população faça a sua parte, mesmo que seja trabalhando, indo no supermercado, cuidando de seus familiares, isolado em casa, não importa. As recomendações de limpeza, higiene e cuidados, servem para qualquer local.

Equilíbrio

O vírus está se alastrando a cada dia. Nesta quarta-feira, dia 25, tivemos a triste notícia do primeiro óbito por conta do Coronavírus no Estado. A opinião pública se divide: uns querem retomar suas atividades, tendo em vista o medo de desemprego e de empresas fechando suas porta. Do outro lado, pessoas defendem a continuação do isolamento social para conter a propagação do vírus. O fato é que ambos estão corretos. Se empresas fecharem suas portas e o desemprego subir na casa de 30% a 40%, como estão prevendo alguns estudos, o caos pode piorar. Milhões de brasileiros não terão o que pôr em sua mesa. A ajuda que está sendo trabalhada pelo governo talvez não seja suficiente. A arrecadação dos municípios cairá drasticamente, podendo afetar os serviços básicos, que já não são dos melhores. Todos sofrerão, com o vírus agora ou com o colapso na economia lá na frente. Dois inimigos, um invisível, outro que enxergamos e está se aproximando. Equacionar isso é difícil, mas precisamos enfrentar. Os gestores precisam elaborar um plano cirúrgico para isolar o grupo de risco e tentar fazer a roda da economia voltar a girar, que não será de imediato. Vejo que muitos gestores não sabem o que fazer e a paralização está dando tempo para pensarem. Espero que Deus ilumine a todos para que achem uma solução rápida, pois o país não pode ficar parado como está neste momento.

PIB

A projeção do PIB, caso continue a pandemia por muito tempo e o isolamento horizontal continuar, segundo o Banco Central, é 0%. Segundo alguns economistas, o cenário é de retração de até 7 pontos, uma queda que deixara o país de joelhos. Essa projeção foi feita por analistas no cenário mais pessimista, analisando o contexto na Europa. Até 15 dias atrás, o cenário pior seria encolher 1,1%, com o avanço do vírus pelo país e no mundo. Os números mais drásticos começam a ser considerados. Tirando por base a economia Chinesa, a economia volta a girar a partir do momento que o vírus perde força e a taxa de crescimento do vírus fica próximo a 0. Como nós estamos apenas começando e, de acordo com o Ministro da Saúde, o pico será em abril, nossa economia vai demorar a retomar a normalidade.

PDF-COMPLETO-EDIÇÃO-1632


Leave a Comment