terça-feira, março 9Diário online de Braço do Norte

Banco de materiais de construção é proposto para Braço do Norte

Projeto consiste em criar programa de doação de sobras de obras para moradores de baixa renda.

Durante a reforma da sua casa no Lado da União, em Braço do Norte, o vendedor Rafael Machado Leandro, 31 anos, encontrou uma dificuldade: onde colocar as sobras de material de construção que ainda poderiam ser utilizadas. Janelas, telhas, portas e outros itens se empilharam na frente da sua propriedade e ele não queria que tudo fosse jogado fora, como se fossem entulhos comuns.

Rafael conta que teve dificuldades em descartar o que sobrou da reforma de sua casa


“Eu queria doar esse material. Mas foi difícil de fazer isso, porque, mesmo encontrando alguém que estivesse precisando, essa pessoa não tinha condições de ir buscar ou de pagar um frete. Isso acabou virando um grande transtorno, porque no meu lote não tinha mais espaço para depositar material”, conta o vendedor.


Foi ao observar situações como a de Rafael que o vereador Marcos Vieira (MDB), apresentou, na primeira sessão ordinária da Câmara de Vereadores, no dia 1º de fevereiro, a indicação 0001/2021, propondo ao Poder Executivo que elabore um projeto de lei que objetive a criação de um “Banco de Materiais de Construção”.

Quer ser avisado quando uma matéria for publicada? Entre no nosso grupo do WhatsApp. https://chat.whatsapp.com/Csw5NcGHVIz4x8jTroWli5

Ou no Telegram https://t.me/joinchat/FIm3FnpEgnuzK2oP

Segundo o vereador, a proposta é bastante simples e tem sido adotada com sucesso em várias cidades pelo Brasil, como Santos (SP) Divinópolis (MG). A ideia resume-se em desenvolver, por parte da Prefeitura de Braço do Norte, um programa de coleta de sobras de obras e reformas no município que possam ser doadas a pessoas de baixa renda. “Na minha empresa, por exemplo, recentemente fizemos uma pequena obra e sobrou material. E não precisaria ser um caminhão por vez para ser doado. Pode ser meia saca de cimento, uma lata de tinta, dez tijolos, enfim. Esse material ficaria depositado em um local adequado e a Secretaria de Assistência Social se encarregaria de selecionar quem realmente precisa de determinado produto”, detalha.

Autor de indicação, vereador Marcos Vieira, mostra material restante de recente obra em sua empresa

Para o legislador, tal programa acarretaria em poucos custos para o Município e traria benefícios à população carente. “Não se trata de um projeto que vai resolver o déficit habitacional da cidade, mas vai dar um pouco mais de conforto àqueles que têm suas casas humildes e que necessitam de pequenos reparos. Isso tem potencial para mudar a vida de uma pessoa. Dá condições a ela de ter uma moradia ainda mais digna. A pessoa vai ter mais saúde física e mental, vai ter mais disposição ao trabalho, gerar renda. Vai ter mais lazer dentro de casa, o sossego”, enfatiza.

No momento, a indicação foi encaminhada ao Executivo, que é o Poder que tem a prerrogativa de elaborar tal projeto e encaminhar para avaliação dos vereadores. “Acredito que o prefeito Beto Marcelino vai abraçar essa ideia, pois tem pouco custo para a Prefeitura e contribuirá em muito para a população”, defende.

Assim também espera o vendedor Rafael, que ao saber da sugestão do vereador, espera que vire um projeto e seja aprovado pelo Legislativo. “Quando eu soube dessa indicação, lamentei que minha obra já esteja em fase de conclusão, pois eu poderia ter contribuído com muito material caso esse programa já existisse. Minha única preocupação está em termos certeza de que aqueles que forem beneficiados pelo banco de materiais sejam pessoas que realmente estejam precisando. Apesar disso, apoio totalmente a ideia, que achei muito boa. Umas das melhores propostas que vi em discussão na Câmara nos últimos anos”, sentencia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Folha do Vale