segunda-feira, janeiro 18Diário online de Braço do Norte

A vida é assim

Coluna de Robson Kindermann Sombrio

Avida é assim, às vezes está tudo bem e, do nada, tudo desanda e desaba. Depois disso, muitas coisas ficam de cabeça para baixo e, daí, a gente se perde um tanto, fica triste, dias chatos. Antes disso, tudo estava em perfeita ordem e, minutos depois, tudo se bagunça de uma forma impensável e imprevisível. Quase sempre não dá pra evitar.
Embora seja uma benção estar no topo da montanha, só iremos reconhecer isso quando já tivermos conhecido o fundo do poço. Pois é no fundo do poço que desenvolvemos a criatividade, aprendemos a dizer o famoso “fod#-se” para um milhão de coisas, desistimos de querer estar sempre certos, nos tornamos nossos melhores amigos, descobrimos quem realmente está ao nosso lado, adquirimos força e resiliência, começamos a valorizar momentos, toleramos as imperfeições das coisas e das pessoas, paramos de carregar os pequenos probleminhas numa mala e aceitamos aquilo que não podemos mudar.
Passamos boa parte da vida buscando a felicidade e imaginamos que a encontraremos num lugar livre de conflitos e dor. Porém, não é assim. A felicidade não resulta da ausência de conflitos, e sim da capacidade de lidar com eles. Não vem da falta de dor, e sim da capacidade de não valorizar a dor como o centro das atenções. Não vem da escassez de problemas, inquietações e inadequações, e sim da capacidade adquirida de não se deixar abater por eles. Não da ausência de limites, e sim da coragem de ser quem você é, ousando assumir o que deseja independente do que os outros vão dizer. Não da aposta dos outros em você, e sim da sua confiança em si mesmo.
Para ser feliz, é preciso ser forte. E a vida lapida-nos. De um jeito torto, difícil, repleto de perguntas e nenhuma resposta, você será desafiado a desistir um milhão de vezes; mas se você resiste, se você levanta a cabeça e segue em frente… ah… a vida recompensa. E aí, então, num dia qualquer, você acorda e percebe que já não é mais o mesmo. Que está feliz não pela ausência de contrariedades, e sim porque se tornou mais forte e aprendeu a lidar com as adversidades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Folha do Vale