Estudo+Determinação= Medalha de Ouro na Obmep

Igor Patrício conquista sua 6ª medalha na 13ª Olimpíada Brasileira de Matemática (Obmep). Carlos Eduardo Wiggers também recebeu a premiação, no Rio de Janeiro

Quantos litros de gasolina colocar? Quanto gastar no mercado? Qual a quilometragem percorrida de uma cidade a outra? A matemática está presente em diversas situações do dia a dia. Apesar dos números serem uma grande dificuldade para alguns, para outros, pode ser uma questão de afinidade e até uma paixão.

Para os estudantes Igor Patrício Michels, de 18 anos, que está no terceiro ano da E.E.B. Dom Joaquim, e Carlos Eduardo Wiggers, de 15 anos, que está no primeiro ano na Escola Cônego Nicolau Gesing, os números são seus aliados. Os braçonortenses receberam medalha de ouro na 13ª Olimpíada Brasileira de Matemática (Obmep), no último dia 02 de agosto. A premiação aconteceu no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Esse ano, a cerimônia da Obmep entrou na programação do Congresso Internacional de Matemáticos (ICM).

Os jovens tiveram a oportunidade de participar da abertura do evento. Carlos Eduardo participa pela terceira vez da Olimpíada e pela primeira vez, conquistou a medalha de Ouro. “Pretendo continuar participando. Gosto de matemática e quero trabalhar com isso futuramente. Penso em cursar engenharia”, conta Carlos Eduardo.

 

Sexta medalha olímpica

 

 

Igor Patrício é um apaixonado pelos números. Incentivado pela família e professores, desde 2012 coleciona títulos da Obmep. Em 2012 ganhou a medalha de bronze, e nas edições seguintes conquistou o ouro, somando seis medalhas olímpicas de matemática. Aos 18 anos, ele pensa em manter seu envolvimento com os cálculos e cursar matemática. “A Obmep me abriu muitas portas e me mostrou o mundo da matemática. Com ela consegui participar do PIC (Programa de Iniciação Científica), ofertado pela olimpíada. Lá aprendi a ver a matemática com outro olhar”, ressalta Igor.

 

Obmep também premia colégios particulares

Pela primeira vez a maior competição estudantil do país contou com participantes de 4.473 colégios particulares. A Obmep manteve o número de medalhas a alunos de escolas públicas das edições anteriores: 500 medalhas de ouro, 1.500 de prata e 4.506 de bronze – em decorrência de empate – e 38,6 mil menções honrosas. Os alunos de escolas particulares receberam 76 medalhas de ouro, 227 de prata, 682 de bronze e 5,7 mil menções honrosas. A 13ª edição bateu novo recorde de escolas (53.231), de 99,6% dos municípios brasileiros. Dos 18,2 milhões de estudantes inscritos, 941 mil foram classificados para a segunda fase da competição – 903 mil de escolas públicas e 38 mil de particulares.

 

A Obmep

Destinada a estudantes do 6º ano do Ensino Fundamental e ao 3º ano do Ensino Médio, a Obmep integra o calendário de atividades do Biênio da Matemática do Brasil 2017-2018, que tem patrocínio do BNDES e apoio dos ministérios da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações e da Educação. Criada em 2005 pelo IMPA, a olimpíada tem como metas estimular o estudo da matemática, revelar talentos – incentivando seu ingresso nas áreas científicas e tecnológicas – e promover a inclusão social pela difusão do conhecimento.


Leave a Comment